O que é logística reversa de embalagens pós-consumo?

Homem separando o embalagens e resíduos

Você já parou para pensar sobre o destino das embalagens dos produtos que consome? 

Se a sua resposta foi não ou talvez, já começamos a perceber a  importância da logística reversa de embalagens

Embora este seja um conceito relativamente novo, que surgiu na década de 1990,  ou seja, há um pouco mais de 30 anos, a logística reversa foi criada para reduzir o impacto do lixo no meio ambiente

Afinal, todas as caixas de papelão, sacolas plásticas, pacotes, garrafas de vidro e os mais variados tipos de embalagem podem acabar depositados na natureza ou dispensados em aterros e lixões. 

Para que você consiga mensurar o impacto desse descarte incorreto dos resíduos, separamos alguns números bastante relevantes para você: 

  • A quantidade de lixo urbano com destinação errada em nosso país cresceu 16% na última década, de acordo com a Abrelpe Panorama – Abrelpe)
  • E o resultado desses números tem prejudicado a saúde de 77,65 milhões de brasileiros, além de produzir um custo ambiental e ao sistema público de saúde equivalente a 1 bilhão de dólares por ano, também segundo a Abrelpe (Panorama – Abrelpe). 

Somente com a logística reversa, que contribui para a consolidação de cadeias de reciclagem e também para a economia circular, nós conseguiremos reduzir os impactos ambientais causados pelo consumo de embalagens em larga escala. 

Por isso, neste artigo, vamos revelar tudo o que você precisa saber sobre a logística reversa de embalagens e como ela pode ser um verdadeiro divisor de águas na sua Empresa.

Vamos lá?

Logística reversa de embalagens: nome complicado, mas conceito simples

Talvez a palavra “logística” já faça parte do seu vocabulário e seja bem familiar para você. Mas nunca é demais explicá-lo: logística é uma estratégia de gerenciamento eficiente de recursos e matérias-primas de uma empresa. 

Já quando falamos de logística reversa, nos referimos ao retorno (caminho inverso) feito por uma embalagem ao ser reciclada depois do consumo final de um produto.

Logística Reversa de Embalagens Pós-Consumo
Ciclo da Logística Reversa De Embalagens Pós-Consumo

 

Que tal um exemplo para ficar ainda mais claro?

Sabe aquela garrafa de vidro de refrigerante que você devolve ao mercado? Isso é logística reversa, porém, explicada de uma forma bem simples e resumida. 

Então, que tal pensarmos um pouco além da parte final da logística reversa de embalagens?  

Para isso, vamos analisar a cadeia produtiva de uma garrafa retornável de refrigerante: 

  • A matéria-prima da indústria se transformou uma embalagem de vidro;
  • A embalagem recebeu o produto consumível, que é o refrigerante;
  • O produto foi distribuído e vendido;
  • Após o consumo da bebida, a embalagem de vidro foi devolvida pelo consumidor no ponto de venda;
  • A embalagem retorna ao fabricante por meio de cooperativas de reciclagem autorizadas, responsáveis por coletar e fazer a triagem do material.

Agora, quando alguém perguntar o que é logística reversa de embalagens, você terá a resposta na ponta da língua: reutilizar o que foi consumido no ciclo de produção

Mas colaborar para que este ciclo aconteça não é só uma boa prática ambiental. É também uma obrigação legal! 

A Política Nacional de Resíduos Sólidos e a logística reversa de embalagens 

A questão ambiental ganhou força no Brasil com a implementação da Lei Federal nº 12.305/2010 (L12305 (planalto.gov.br), que instituiu a PNRS.

Essa Lei Federal foi resultado de 21 anos de discussão sobre o tema no Congresso Nacional. 

Seus 15 principais objetivos são:

  1. Proteção da saúde pública e da qualidade ambiental;
  2. Não geração, redução, reutilização, reciclagem e tratamento dos resíduos sólidos, bem como disposição final ambientalmente adequada dos rejeitos;
  3. Estímulo à adoção de padrões sustentáveis de produção e consumo de bens e serviços;
  4. Adoção, desenvolvimento e aprimoramento de tecnologias limpas como forma de minimizar impactos ambientais;
  5. Redução do volume e periculosidade de resíduos nocivos e tóxicos.
  6. Incentivo à indústria da reciclagem, tendo em meta fomentar o uso de matérias-primas e insumos provenientes de materiais recicláveis e reciclados;
  7. Gestão integrada de resíduos sólidos;
  8. Articulação entre as diferentes esferas do poder público, e destas com o setor empresarial, com o objetivo de cooperação técnica e financeira para a gestão integrada de resíduos sólidos;
  9. Capacitação técnica continuada na área de resíduos sólidos;
  10. Regularidade, continuidade, funcionalidade e universalização da prestação dos serviços públicos de limpeza urbana e de manejo de resíduos sólidos, com adoção de mecanismos gerenciais e econômicos que assegurem a recuperação dos custos dos serviços prestados, como forma de garantir sua sustentabilidade operacional e financeira;
  11. Prioridade, nas aquisições e contratações governamentais, para:
    1. produtos reciclados e recicláveis;
    2. bens, serviços e obras que considerem critérios compatíveis com padrões de consumo social e ambientalmente sustentáveis;
  12. Integração dos catadores de materiais reutilizáveis e recicláveis nas ações que envolvam a responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos;
  13. Estímulo à implementação da avaliação do ciclo de vida do produto;
  14. Incentivo ao desenvolvimento de sistemas de gestão ambiental e empresarial voltados para a melhoria dos processos produtivos e ao reaproveitamento dos resíduos sólidos, incluídos a recuperação e o aproveitamento energético;
  15. Estímulo à rotulagem ambiental e ao consumo sustentável.

E, é claro, a logística reversa é um dos principais instrumentos da PNRS, afinal, ela prevê a redução da quantidade de resíduos sólidos direcionados para aterros ou lixões

“A logística reversa é um instrumento de desenvolvimento econômico e social caracterizado por um conjunto de ações, procedimentos e meios destinados a viabilizar a coleta e a restituição dos resíduos sólidos ao setor empresarial, para reaproveitamento, em seu ciclo ou em outros ciclos produtivos, ou outra destinação final ambientalmente adequada”.

segundo a PNRS

Por isso, a logística reversa de embalagens precisa ser priorizada pelas empresas. 

O decreto 9.177/2017, o acordo nacional e a obrigatoriedade da logística reversa de embalagens

Há 4 anos, o então Presidente da República, Michel Temer, instituiu o Decreto 9.177 (D9177 (planalto.gov.br)) em 23 de outubro de 2017, que fiscaliza o cumprimento das obrigações legais referente à logística reversa de embalagens, estabelecida pelo Acordo Nacional.  

Ele determina que toda empresa, fabricante, importadora, distribuidora e comerciante de produtos embalados, mesmo não tendo assinado acordos setoriais, precisa cumprir a meta de reciclar, no mínimo, 22% das embalagens que são colocadas no mercado. 

Além disso, a legislação vigente permite que a logística reversa seja feita por outra empresa especializada nisso, criando, assim, um sistema de compensação semelhante aos do “Crédito de Carbono”. 

Ou seja, as organizações podem remunerar operadoras de logística reversa pelo serviço de reutilização ou reciclagem dos materiais depois que eles são consumidos. 

E a comprovação da execução desse processo é feita através das notas fiscais geradas com a compra e venda de resíduos. 

PNRS e a responsabilidade compartilhada

A PNRS ainda determina o conceito da Responsabilidade Compartilhada, na qual todos os envolvidos no ciclo de vida de um produto são responsáveis por garantir a reciclagem e reutilização dos resíduos. 

De acordo com a Lei 12.305/10:

“A responsabilidade compartilhada pelo ciclo de um produto é um conjunto de atribuições individualizadas e encadeadas dos fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes, dos consumidores e dos titulares dos serviços públicos de limpeza urbana e de manejo dos resíduos sólidos, para minimizar o volume de resíduos sólidos e rejeitos gerados, bem como para reduzir os impactos causados à saúde humana e à qualidade ambiental decorrentes do ciclo de vida dos produtos”. 

Ou seja, comerciantes, fabricantes, importadores, distribuidores, a população, trabalhadores da coleta de materiais… Todos participam da logística reversa de embalagens. 

Mas, sem dúvida, as empresas que produzem resíduos são efetivamente mais cobradas pela legislação para cumprir as suas responsabilidades, inclusive, elas têm um percentual mínimo determinado pela legislação para fazer a logística reversa. 

Embalagens de indústrias de bebidas
Engenheira Ambiental acompanha a produção de garrafas plásticas na indústria de bebidas.

A sua parcela de responsabilidade na logística reversa de embalagens 

Você já entendeu que as obrigações da sua Organização com o cumprimento da PNRS não terminam quando os seus produtos são comprados pelos clientes. 

A sua Empresa precisa garantir que as embalagens não prejudiquem o meio ambiente e, consequentemente, a nossa vida no presente e também no futuro. 

Atualmente, as organizações devem comprovar que realizam a logística reversa de, pelo menos, 22% das embalagens que estão no mercado. 

Mas até 2031, estima-se que este percentual de obrigatoriedade pode chegar a 45%. 

Por isso, você precisa começar a se mobilizar o mais rápido possível para reutilizar e/ou reciclar a metade de suas embalagens produzidas pela sua Empresa.  

As embalagens que a sua empresa precisa se preocupar

A logística reversa de embalagens não se resume só ao reaproveitamento ou reutilização de caixinhas, pacotes, garrafas e vidros que acondicionam os produtos vendidos pela sua Organização. 

Ela precisa englobar 3 tipos de embalagens, que são: 

  • Primárias: são as que contém o seu produto. Alguns exemplos são: o pacote de uma batatinha frita, uma garrafa de vinho e o frasco de um achocolatado em pó; 
  • Secundárias: são aquelas que envolvem diversos pacotes, frascos, garrafas ou latas unitárias. O cartão da caixa que envolve 6 cervejas long neck e o pacote de biscoito que reúne 4 pacotes pequenos do lanche são consideradas embalagens secundárias;  
  • Terciárias: elas praticamente não são vistas pela maioria dos consumidores. São as utilizadas para acondicionar uma quantidade maior de produtos que são vendidos aos clientes, como paletes, bags  e plástico-bolha. 

Todas essas embalagens precisam estar no radar da sua Organização para integrarem a sua logística reversa de embalagens

Mas caso você deixe essa prática para depois, a sua Empresa estará sujeita a sanções. 

Penalidades previstas para o descumprimento da lei 

A logística reversa é um item obrigatório do PGRS, que deve ter um cronograma de implantação e relatório anual de avaliação de desempenho. 

Se a sua Empresa  não cumpre essa determinação, ela está sujeita a multas que variam de 5 mil a 50 milhões de reais, conforme estabelecido pelo Decreto Federal n° 9.177/2017

Grandes grupos de fabricantes de refrigerantes e demais bebidas não-alcóolicas, além de alimentos, já foram multados no Paraná por não realizarem a logística reversa em conformidade com a legislação. 

Além da autuação, todos eles ainda precisaram apresentar um novo plano de gerenciamento de suas embalagens.

Por isso, é bom que, a partir de agora, você redobre a sua atenção para a logística reversa na sua Empresa.

Por que a logística reversa de embalagens é realmente importante? 

Os impactos da logística reversa podem ser percebidos nos níveis ambiental, social e econômico

No nível ambiental, ela garante um aumento na reciclagem de materiais. 

Ao apoiar e desenvolver a cadeia de reciclagem, a quantidade de resíduos descartados de forma incorreta no meio ambiente diminui. Isso permite a redução da poluição e dos impactos dos resíduos  na natureza. 

No nível social, diversos empregos são formalizados e criados quando se mantém a cadeia de reciclagem ativa. 

A coleta e triagem de materiais por meio de cooperativas e operadores privados também é incentivada pela logística reversa de embalagens, impactando a vida de milhares de pessoas.

E, por fim, no nível econômico, a reutilização das embalagens fomenta a economia.

Além disso, recursos naturais são poupados , uma vez que a reciclagem dos materiais permite a reutilização da matéria-prima, sem necessidade da retirada de novos insumos da natureza. 

Você se recorda dos vários números sobre o impacto dos resíduos  e também do reaproveitamento que apresentamos a você no início deste livro digital? 

Pois é…Quando você não implementa a logística reversa de embalagens na sua empresa , está contribuindo para que um cenário ruim se torne ainda pior

A realidade nua e crua

De acordo com a Abrelpe (Destinação inadequada de lixo cresce 16% em uma década | Agência Brasil (ebc.com.br)), será preciso mais de meio século (55 anos) para que os aterros controlados e lixões sejam extintos no Brasil

E segundo a Associação Internacional de Resíduos Sólidos (ISWA – sigla em inglês), apenas o volume de plásticos que acaba indo parar nos oceanos corresponde a 25 milhões de toneladas em um único ano, sendo que 80% desta enorme quantidade é resultado da má gestão dos resíduos sólidos nas cidades (25 milhões de toneladas de lixo vão para os oceanos todo ano – eCycle). 

Atualmente, os frutos do mar já têm apresentado um alto índice de toxinas pesadas, que são produzidas a partir da presença de plástico em seu organismo, impactando, assim, a nossa saúde, afinal, nós consumimos esses alimentos, segundo o World Wide Fund for Nature –  WWF-Brasil (Brasil é o 4º país do mundo que mais gera lixo plástico | WWF Brasil). 

Além disso, o plástico tem provocado sérios danos à natureza

Também segundo o WWF-Brasil (Brasil é o 4º país do mundo que mais gera lixo plástico | WWF Brasil), mais de 250 espécies de animais, entre elas, mamíferos, répteis, pássaros e peixes, estão sendo estranguladas por pedaços de plásticos, causando lesões agudas e crônicas, como úlceras e bloqueios digestivos, e até mesmo a morte. 

Essa situação é uma das grandes ameaças à vida selvagem e à conservação da biodiversidade. 

Após ler tudo isso, cabe a você uma séria reflexão: o que a sua Empresa pode fazer para contribuir com o meio ambiente?

Afinal, como funciona a logística reversa de embalagens? 

Após compreender detalhes sobre este importante conceito e o impacto dele na sua Empresa, você precisa entender como implementá-la no seu Negócio. 

Existem 3 mecanismos para realizar a Logística Reversa. São eles: 

  • PEV (Pontos de Entrega Voluntária)

Uma empresa pode criar pontos de coleta em diferentes locais públicos, como já fazem fabricantes de eletrônicos, pilhas e até óleo de cozinha, onde o consumidor devolve as embalagens nesses pontos. 

Vantagens: este modelo independe da coleta seletiva, tem um menor custo de coleta e facilita a triagem. 

Desvantagens: ele pode gerar uma dificuldade em comprovar o alcance das metas de reciclagem, depende da conscientização dos consumidores e possui custos de operação e gerenciamento próprios. 

  • Doação

A sua Empresa pode realizar a doação de equipamentos, treinamentos e consultorias para cooperativas, afinal, elas apoiam o desenvolvimento da cadeia de reciclagem. 

Vantagens: este modelo pode ser de grande ajuda para cooperativas informais, porque os investimentos ajudam na sua estruturação. 

Desvantagens: pode haver dificuldade na  comprovação do alcance de metas definidas, além de não realizar a logística reversa direta das embalagens. 

  • Compensação Ambiental

Este é um mecanismo de logística reversa indireta. 

Nele, a reciclagem é garantida por meio de compensação

Este é um modelo interessante para que você garanta a aplicação da logística reversa de embalagens na sua Empresa, cumpra a legislação e ainda garanta a preservação do meio ambiente. 

Através dela, você compensa o percentual de embalagens que coloca no mercado sem que elas sejam necessariamente as que estão estampadas com a sua marca. 

Inclusive, essa compensação ambiental garante que a sua Organização receba créditos de economia circular, que são comprovados por notas fiscais rastreadas

E a partir desses créditos, as empresas podem até receber certificados que atestam o cumprimento da logística reversa

Como nós, do Instituto Brasileiro de Logística Reversa (ILOG), podemos fazer por você. 

Logística Reversa de Embalagens Pós-Consumo
Selo Nós Reciclamos

O selo Nós Reciclamos

Nós atuamos como uma entidade certificadora, responsável por emitir certificados de logística reversa que comprovam, por meio de notas fiscais, a correta destinação de materiais recicláveis.

O Selo Nós Reciclamos pode ser obtido por todas as empresas que distribuem embalagens de consumo para pessoas físicas: fabricantes, importadores, distribuidores, comerciantes, etc. 

Ao se tornar nossa parceira, a sua Organização recebe a certificação e pode usar o selo nas suas embalagens e/ou mídias, com o intuito de incentivar a reciclagem e fomentar a conscientização ambiental de seus consumidores.

3 vantagens de ter o selo Nós Reciclamos

  • Cumprir a PNRS

É dever de todas as empresas geradoras de resíduos garantir a logística reversa de embalagens que ela insere no mercado.

O Selo Nós Reciclamos comprova que as empresas cumprem esta exigência, o que blinda o seu negócio de possíveis multas e penalizações.

  1. Estimular a cadeia de reciclagem

Quando a sua Organização torna-se parceira do ILOG e adota o nosso Selo, ela passa a fazer parte de um seleto grupo de empresas que investem e estimulam a cadeia de reciclagem no Brasil.

Você sabia que a maior parte do material reciclado em nosso país só chega a ser reciclada graças ao trabalho das cooperativas e associações de catadores? 

Ter o Selo Nós Reciclamos é contribuir para que essas cooperativas e associações recebam recursos para exercer esse trabalho tão importante na sociedade. 

  1.  Diminuir o impacto ambiental das embalagens produzidas

Sempre que sua Empresa comercializa um produto, ela também está gerando resíduos que podem agredir a natureza.

O nosso Selo é uma maneira de minimizar o impacto ambiental que a sua Organização causa ao meio ambiente e se preocupar com a preservação da natureza. 

Como o nosso selo funciona na prática

A Marca Caldo Bom decidiu ser nossa parceira.   

Ela não é só sabor, ela já faz parte da nossa família!  

Afinal, a Marca está todos os dias conosco, na nossa mesa durante as refeições.  

Mas, antes de degustarmos todas as delícias da Caldo Bom, todos os alimentos precisam ser desembalados

E embalagens plásticas de, pelo menos, 150 produtos, vão parar no lixo. 

A partir daí, elas podem acabar se espalhando pela natureza, especialmente pelos rios, mares e oceanos.  

Mas como a Marca Caldo Bom resolveu isso? 

Com o Selo NÓS RECICLAMOS

Sim, você já sabe que a sua Organização precisa recuperar parte dos resíduos produzidos, porém, ao invés de gerenciar a logística de coleta, seleção e reciclagem, você pode compensar! 

Por isso, diga sim (de uma vez por todas!) à sustentabilidade

Faça parte de um seleto grupo de empresas que estimulam a cadeia de reciclagem no Brasil e: 

  • Diminua o impacto ambiental;
  • Incentive o desenvolvimento dessas redes;
  • Cumpra as exigências da PNRS.  

Quanto custa o selo nós reciclamos?

A sua parceria conosco é personalizada, assim como o investimento que a sua Empresa precisa fazer para conquistar o Selo Nós Reciclamos.  

A única coisa que você precisa fazer para receber o seu orçamento personalizado é incluir os dados do seu Negócio em nosso simulador. 

Aproveite e faça isso já! 

Quem somos nós, o ILOG

Somos o Instituto Brasileiro De Logística Reversa e implementamos soluções de Logística Reversa de Embalagens Pós-Consumo para que organizações cumpram a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) a partir do programa de compensação ambiental Nós Reciclamos. 

O nosso trabalho se sustenta em três pilares. São eles: Ambiental, Social e Econômico:

  • Ambiental

Recuperamos resíduos e damos a destinação adequada para reduzir o impacto ambiental nas comunidades.

  • Social

Investimos em ecossistemas de reciclagem para gerar renda às famílias e melhores condições de empregabilidade. 

  • Econômico

Conferimos créditos verdes às empresas que cumprem a sua responsabilidade no PNRS e fomentamos novos programas ambientais.

Já são mais de 47.000 toneladas recuperadas de janeiro/2017 até dezembro/2020. 

Nossos programas são homologados pela Secretaria de Estado do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo (SEDEST) e recuperam resíduos de forma acelerada.

Somos parceiros de Associações e Cooperativas de Catadores de materiais recicláveis no Paraná, que são responsáveis pelo maior percentual de massa recolhida do Estado. E também de diversas outras em todo o Brasil.

Investimos milhares de reais todos os anos no ecossistema de coleta seletiva para garantir o processamento correto e ágil dos materiais e ainda melhorar as condições de trabalho.

Apostamos em: 

  • Equipamentos;
  • Infraestrutura;
  • Tecnologia;
  • Capacitações. 

E centenas de famílias associadas às cooperativas são beneficiadas pela melhoria contínua de nossos programas. 

O suporte e os investimentos nesse ecossistema das cooperativas gera a renda, que sustenta centenas de pessoas.

Vamos transformar o futuro juntos? 

Atualmente, a logística reversa é uma obrigação jurídica para as empresas geradoras de resíduos, porém, ela não precisa ser um ônus às empresas. 

Então, por que não tornar esse caminho mais fácil com o Selo Nós Reciclamos e a nossa ajuda? 

O futuro se transforma hoje!

Assine nossa newsletter e receba novidades da ILOG

Obrigado por assinar nossa newsletter!

Solicite um Orçamento